domingo, 22 de agosto de 2010

UMA ANÁLISE DE UM FERROMODELISTA SOBRE OS ENCONTROS NACIONAIS DE FERROMODELISMO

Primeiramente, quero agradecer o ferromodelista e leitor L. S. Gouveia por postar um comentário na nota anterior e por indicar esse texto muito bem feito que descreve a análise dele sobre os últimos encontros de ferromodelismo do país! Visitem o blog dele também: http://ferreomodelismobrasileiro.blogspot.com. Aproveito a oportunidade e copio aqui o cartaz do Encontro de Ferromodelismo de Bauru que ele publicou lá. Esse evento é muito importante porque ele está acessível à maioria de todos os ferromodelistas do Centro-Sul do Brasil, e a estação é bem ampla para montar maquetes e transitar. Por lá há três ferrovias: a Novoeste, a Ferroban (ambas da ALL) e a MRS.
...

Estava eu e alguns amigos ferreomodelistas discutindo sobre a mediocridade dos últimos eventos de ferreomodelismo e chegamos a algumas conclusões.

Antes de ir ao assunto propriamente dito vamos ver o conceito de ferreomodelismo.

Ferreomodelismo: é o hobby indo mais longe à arte de reproduzir em escala a ferrovia e tudo que há envolve, ou seja, reproduzir tudo não só locomotivas e vagões, mas construção via sinalização, pois cada ferrovia tem suas particularidades ate o empedramento e o tom da vegetação bem como envelhecimento muda de uma ferrovia para outra.

Pois bem nos últimos anos vemos a decadência dos eventos, a cada ano, cada vez menos participantes, cada vez menos modelos, cada vez menos novidades por quê? Uma das causas seria cada vez menos gente de fato pratica o ferreomodelismo se contentando apenas em ser um mero colecionador, as pessoas compram os modelos tiram das suas caixas e Poe pra rodar em uma maquete que não representa nada, da pra contar no dedo o pessoal que de fato modifica, detalha, pinta, envelhece, constrói em fim faz alguma alteração no modelo a fim de deixá-lo mais real ao modelo original de sua ferrovia preferida isto não se aplica apenas ao material rodante mais a tudo construções etc.

Talvez por falta de tempo, ou pela falta de habilidade que não se justifica afinal a pratica do hobby com passar dos anos se adquire a habilidade é assim que funciona todo hobby e assim ocorre um aprendizado com passar do tempo e quanto mais tempo se passa mais aprendemos. Vejo nas listas as pessoas se preocupando e discutindo assuntos inúteis e sem sentido quando deveriam estar trocando informações a fim de aperfeiçoar suas habilidade e melhorar o modelo.

Discute-se muita qualidade de marcas entre outros, mas ninguém entende que a bolsos e bolsos, ninguém se preocupa em melhorar aquilo que adquire afim de por realidade ao modelo, só se preocupam em comprar o mais caro o melhor tirar da caixa e por na estante quando não rodar em uma maquete que não representa nada.

Por isso chegou se ao ponto de em um concurso de nível nacional (lembrando que no momento a 3 concursos de relevância no Brasil) haver dois concorrentes na categoria locomotivas elétrica, um concorrentes categoria vapor, três Dioramas nos quais apenas dois concorriam e nenhuma, nenhuma construção, e a maioria dos modelos de baixa qualidade; há também o fato dos encontros terem virado “carne de vaca” muito encontro pra pouco modelista e poucos modelos.

Quem chegou a participar dos primeiros encontros de ferreomodelismo em ribeirão preto sabe do que estou falando como era legal os encontros bastante gente muitos modelos cheio de novidades sempre tinha alguém com coisa nova.

Então fica ai meu recado mãos a obra sem medo de errar e errando que se aprende vamos deixar de ser meros “rodadores” de trem meros colecionadores e sermos ferreomodelistas de verdade.

Postado por L S Gouveia

Nenhum comentário: