sábado, 7 de abril de 2012

CONRAIL: UMA FANTÁSTICA ESTRUTURA DE LOGÍSTICA CHEIA DE LEGADO QUE SE TORNOU LEGADO!




Caríssimos Leitores,

Como vocês já perceberam por vários anos, este ferromodelista blogueiro é apaixonado pela Conrail (Consolidated Rail Coroporation - Corporação Ferroviária Consolidada) que é a união de todas as ferrovias falidas do nordeste americano em um sistema de ferrovias riquíssimo que não temeria de apontar como sendo o maior entre as regiões americanas, não só na abrangência de estados, mas na quantidade de ferrovias com mais de duas vias, sistema de alta velocidade de alta demanda adquirido da Pennsylvania e New York Central e a quantidade imensa de ferrovias alimentadoras e terminais de integração logística.

Uma breve história: (fonte: web site da Conrail)

Conrail began operations in April 1976, although its origins go back to the earliest days of railroading in North America.
A Conrail começou operações em abril de 1976 (este blogueiro não tinha completado um aninho de vida), embora as suas origens datam atrás aos dias mais recentes da ferroviária na América do Norte.

The oldest segment of what became Conrail was the Granite Railway Co., built in 1826 to carry granite blocks for the Bunker Hill Monument in West Quincy, Massachusetts. Nearly 150 years later, scores of railroads in the Northeast and Midwest had been acquired or merged into six different lines: Central Railroad of New Jersey, Erie Lackawanna, Lehigh & Hudson River, Lehigh Valley, Penn Central, and Reading.
O seguimento mais antigo que se tornou em Conrail foi a Granite RAilway Co., construída em 1826 para carregar blocos de granito para o monumento Bunker Hill em West Quincy, Massachusetts. Aproximadamente 150 anos mais tarde, bastante ferrovias no Nordeste e no Centro-Oeste foram adquirdas ou se uniram em seis linhas diferentes: Central Railroad of New Jersey, Erike Lackawanna, Lehigh & Hudson River, Lehigh Valley, Penn Central (New York Central e Pennsylvania Rail Road) e Reading (a da abelhinha).

In the early 1970s, one by one, these six railroads entered bankruptcy. Although there were many reasons for the economic difficulties they faced, chief among them was competition from trucks, subsidized by the federally-built Interstate highway system, and an archaic system of economic regulation which prevented railroads from responding to the needs of the market. As freight revenues declined, railroads deferred maintenance, allowing tracks and equipment to fall into poor condition, and as service levels deteriorated, more business went to trucks. Requirements to run money-losing passenger service added to the rails decline.
No início dos 1970s, uma a uma, essas seis ferrovias entraram em falência. Embora houve muitas razões para as dificuldades econômicas que elas encararam, a principal delas foi a competição dos camiões, subsidiados pelo sistema de rodovia interestadual montado federalmente e um sistema arcaico de regulação econômica que previniu as ferrovias de responder às necessidades do mercado. Como as rendas de carga declinaram, as ferrovias deixaram a manutenção, permitindo os trilhos e o equipamento a cair em condição pobre e como os níveis de serviço deterioraram, mais negócios foram para os camiões. E as solicitações (do público) para rodar o serviço de passageiros de perder dinheiro adicionados aos trilhos declinaram.

The federal government, recognizing the national economic importance of the six railroads, responded by creating Conrail and appropriating the funds needed to rebuild tracks, locomotives and freight cars. While Conrail succeeded in rebuilding the railroad, the problem of severe economic regulation remained. With the passage of the Staggers Act in 1980, many of these constraints were loosened, giving railroads more freedom to compete with trucks. Later, other legislation transferred the burden of operating money-losing commuter rail service from Conrail to state agencies. In the 1970s, Congress created Amtrak to take over intercity passenger service from the nation's freight railroads.
O governo federal, reconhecendo a importância econômica nacional das seis ferrovias, respondeu ao criar a Conrail e apropriando os fundos necessários para reconstruir os trilhos, locomotivas e vagões. Enquanto a Conrail sucedia em reconstruir a ferrovia, o problema de regulações econômicas severas continuaram (prova de que um sistema tendencioso ao socialismo só gera falências). Com a passagedo Staggers Act (Ato de Escalamentos) em 1980, muitos desses limites foram perdidos, dando às ferrovias mais liberadora para competir com os camiões. Mais tarde, outra legislação transferiu o enterro de operações ferroviárias inter-cidades de desfalque da Conrail para as agências estaduais. Nos 1980s, o Congresso criou a Amtrak para tomar o serviço intercidades de passageiros das ferrovias cargueiras da nação.

By 1981 Conrail began its financial turnaround. After June 1981, Conrail would no longer require federal investment, and finished the year with the first profit in its history.
Por volta de 1981, a Conrail começou o seu retorno financeir. Depois de junho de 1981, a Conrail não mais requeriria investimento federal e terminou o ano com o primeiro lucro da sua história (nove anos depois após investimentos de recuperação de estrutura nesses anos).

With Conrail continuing to succeed in providing high quality service for its freight customers and improving its financial outlook, the federal government sold its ownership interest in Conrail through what at the time was the largest initial public stock offering in the nation's history. This March 26, 1987 transaction, with added cash payments from Conrail to the U.S. Treasury, produced about $1.9 billion for the taxpayers and returned the Northeast-Midwest rail freight system to the private sector as a for-profit corporation, as Congress had envisioned when it created Conrail as Consolidated Rail Corporation.
Com a Conrail continuando a suceder em prover serviços de alta qualidade para os seus clienes de carga e melhorando a visão geral financeira, o governo federal vendeu a sua parcela de interesse na propriedade na Conrail através do que no tempo foi a maior oferta de quotas públicas de início. Essa transação de 26 de março de 1987 com pagamentos em dinheiro adicionados da Conrail e do Tesouro Americano, produziu 1,9 bilhão para os contribuintes e retornou o sistema ferroviário Nortdeste/Centro-Oeste para o setor privado como uma corporação de fins lucrativos como o Cngresso teve visionado quando criou a Conrail como Consolidated Rail Corporation.

In the spring of 1997, Norfolk Southern Corporation and CSX Corporation agreed to acquire Conrail through a joint stock purchase. The Surface Transportation Board officially approved the acquisition and restructuring of Conrail on July 23, 1998. The approved merger plan restructured Conrail into a switching and terminal railroad that operates as an agent for its owners, Norfolk Southern and CSX, in the Shared Assets Areas of Northern New Jersey, Southern New Jersey/Philadelphia, and Detroit.
Na primavera de 1997, a Norfolk Southern Corporation (NS) e a CSX Corporation (CSX) concordaram em adquirir a Conrail através de uma compra conjunta de ações. O Corpo de Transporte Terrestre (Surface Transportation Board) aprovou a aquisição e a reestruturação da Conrial em 23 de julho de 1998. O plano de junção aprovado reestruturou a Conrail em uma ferrovia de terminal e manuseio de material rodante em pátio (switching railroad) que opera como um agente para as suas proprietárias, Norfolk Southern e CSX, nas Áreas de Bens Compartilhados de Norte de New Jersey, Sul de New Jersey, Philadelphia e Detroit.

***

Continuando...

Então, pessoal, a Conrail ainda existe e continuará a existir. Enquanto as duas mega empresas ferroviárias continuarem com interesse de operá-la para chegar a importantes pontos como os dos estados de New York, New Jersey, Michigan, Pennsylvania além de obter mais pontos de entrada e terminais em Chicago (antigas áreas da Pennsylvania), ela continuará sendo uma mega TTX da NS e da CSX. No entanto, mesmo ambas tendo separado muito material rodante e tendo pintado-o com as suas cores, as inscrições CR de Conrail continuam nos vagões e ainda as inscrições como PC (Penn Central), NYC (New York Central) ainda continuam. Mas no fundo da minha alma, eu queria que todo o material rodante que ostentava e ainda ostenta os logotipos da Conrail, continuassem com essa marca como muitas ferrovias que se uniram para formar a provedora de vagões a TTX fazem. Sendo a Conrail uma "TTX" das duas mega ferrovias, ambas poderiam manter pinturas e inscrições originais e a central da Conrail fazer a administração da disponibilidade do material rodante e dos terminais às demandas das suas proprietárias como ela faz.


Conrail: Paixão à primeira vista!


Quando eu era criança, havia uma marca de acessórios e roupas chamada Company. O logotipo dela era a letra "Cê" na cor branco e a minha mãe me deu uma carteira para carregar os meus "primeiros dinheirinhos" e eu gostei muito daquela carteira. Ela era azul com aquele logotipo branco, a cor era a da minha preferência e o logotipo era a primeira letra do meu nome. Não lembro o que aconteceu com aquela carteira, ela não existe mais. Eu devia ter uns sete, oito anos quando a ganhei. Passados uns seis anos, eu já estava no final da adolescência, eu tinha 19 anos, comprei a minha primeira Model Railroader Magazine em 1995. Aquilo era a minha internet já que eu fosse ver internet em casa quando eu tivesse 21 anos de idade embora quando eu tinha 18 anos, eu já tive um pouco de acesso à internet e até quando eu tinha 23 anos, o conteúdo de ferromodelismo na internet era quase nulo. Nem lembro quando a Athearn lançou o primeiro web site dela, ela ainda relutava muito sobre isso. Foi através da edição de Model Railroader de março de 1995 que eu conheci a Conrail não como ferrovia, mas como "mini ferrovia." Quando eu abri a página de Product Review (revista/revisão de produto) com a análise de rodagem e detalhamento da Bachmann "Plus" GP-35 na pintura da Conrail, eu não acreditei no que vi. Aquilo foi um espetáculo em forma de cor e pintura e o ambiente reproduzido na maquete só fazia aquilo ficar mais inacreditável ao ponto de que eu achei aquele padrão de pintura "fake", uma invensão ou alguma pintura comemorativa de alguma marca que não fosse de ferrovia, enfim, uma pintura de uma ferrovia fictícia. E eu nem imaginava o que esperava por mim desde que eu conheci aquela marca. Mas aquele azul que eu nunca tinha visto igual e aquele belo logotipo modernoso, um C de linha dupla imitando uma ferrovia em loop e um AMV (aparelho de mudança de via) me fizeram ficar curioso para checar se nos Estados Unidos havia uma ferrovia com aquele nome tão diferente e surreal para mim. Pela revista eu achava mais nada sobre a Conrail, mas depois de fazer algumas observações, achei uma propaganda da Walthers que anunciava a venda de uma composição de vagões porta-carretas e uma das pinturas era da Conrail. Foi então que comecei a ficar mais atento para encontrar mais informação sobre a localização daquela ferrovia, o tipo de material rodante e os tipos de carga predominantes dela. Com aquele azul perfeito que cativou os meus olhos e o meu coração e aquele esquema moderno de marca em cor branca com um "baita" "C" como logotipo, eu decidi escolher a Conrail como a "ferrovia do Cristiano."


Naquela época, o sociólogo comunista (para o nosso azar) começara o seu governo que seria abatido por várias crises internacionais, muitas delas para fazer os povos a se desesperar e não acreditar que os seus líderes de direita e os seus líderes que fingiam ser de direita e assim se bandear a cair na teia da esquerda: eleger líderes descaradamente comunistas como vimos acontecer em toda a América Latina. A economia brasileira que ia ótimamente com Itamar Franco, começou a ser enfraquecida ao ponto de que ter um ferromodelo importado estava ficando difícil para os ricos e imaginem para tantos como eu que mal conseguiam receber um salário mínimo. Eu já tinha feito curso de espanhol e estava iniciando curso de inglês que por 10 anos para nada serviu já que eu não tive oportunidades para usar os meus conhecimentos para ganhar dinheiro com eles. E sendo pobre, o sonho de ir aos Estados Unidos conhecer algum trecho e algum terminal da Conrail ou de terminar a minha maquete com tema da Conrail era desaparecido no ácido da pobreza imposta por um sistema que não faz parte da cristandade. Reflitam. E o que me restou foi ao invés de gastar alto preço com as revistas que passaram a custar mais de três vezes o valor de 1995 (de 8,50 para mais de 30 reais), eu preferi tentar conhecer algo a mais pela internet e assim eu fui conhecendo mais a Conrail e a magnificência do sistema ferroviário americano. Não importa o quão grande o sistema ferroviário russo possa ser, ele nunca será lindo, nunca terá as belas histórias, o romantismo, a elegância e o carisma que o sistema ferroviário americano tem e muito menos a potência que ele é.

Com a internet eu acompanhei o fim da Conrail como companhia independente o que me deixou uma frustração enorme, porque eu queria ter tido a chance de ter visto parte daquela estrutura no seu melhor com as suas cores intactas, mas ela passou a ser um tipo de mega TTX para a Norfolk Southern e a CSX bem como caminhos livres para chegar com as suas locomotivas e vagões diretamente sem pedir licença o que deve ter reduzido tempo de trasalado, mas a venda da Conrail me entristeceu porque com ela se foi marca com a qual eu identificava a minha minha própria identidade seja pelo "C" estilizado seja pela cor azul e o tipo de material rodante e todo o estilo de sinalização. O fato da Conrail ser uma potência no transporte de carretas com a marca dela aquilo me encantava. Todas as ferrovias que formaram a Conrail que foram vítimas do transporte rodoviário por esse gozar de liberdades, a Conrail passou a ser ferramenta necessária para a sobrevivência do transporte rodoviário. A Conrail era e ainda é sob as duas bandeiras NS e CSX a ferrovia americana mais "europatizada" em termos de fluxo de carga intermodal, se eu compará-la com a DB mais a SBB. E a velocidade dos trens? Trens imensos, a grande maioria com mais de 70-100 vagões a mais de 100 Km/h. Centenas desses trens todos os dias! Do alface a altomóveis, chapas para fábrica de automóveis, motores, cimento, químicos, metais derretidos soltando faíscas, tudo era transportado pela Conrail. Ela era a ferrovia americana mais plural e mais completa e a ferrovia cargueira que por mais tempo manteve locomotivas elétricas operando como a ALCO E33, a 'U20C elétrica' do corredor leste e da Pennsylvania.

Assista os vídeos na configuração de definição máxima possível.

Após a recuperação econômica brasileira que é um resultado positivo um tanto tardio das tentativas de dos exportadores brasileiros buscar novos importadores não só nos Estados Unidos como na Europa, África, Ásia e Oceania, o valor do dólar no Brasil foi recuando além do próprio dólar perder valor na origem por causa do aumento da dívida americana. Esses dois fatores possibilitaram-me bem como muitos outros ferromodelistas que tinham menos condições ou conhecimento de quando eu comecei pudessem ter acesso ao ferromodelismo de padrão internacional, rico de detalhes, rico de opções, rico de produtos lançados todos os anos mesmo durante as recentes crises econômicas, enfim, o verdadeiro ferromodelismo que permite o modelista a reproduzir qualquer mundo ferroviário existente ou imaginário com tamanha riqueza de detalhes de todos os componentes de beira de ferrovia. Agora eu quero trilhar o caminho da realização de finalizar a minha maquete com estilo das cidades das regiões atendidas pela Conrail onde as ferrovias eram a New York Central e a Pennsylvania Rail Road mesmo que eu complete alguns trens nacionais importantes como os graneleiros e multi-tarefas da ALL, os de minério e de bobinas da MRS.


Um pouco da rotina da Conrail.

Como eu citei acima, a característica forte da Conrail era e ainda é a de operadora de trens de mercadorias de alta velocidade. A Conrail herdou da New York Central através da incorporação da Penn Central (NYCRR e PRR) os serviços de entrega de automóveis montados, entrega de chapas de aço para montagem de automóveis, alimentos perecíveis, mercadoria encaixotada, motores, móveis, tratores, etc, etc, etc. Se você pensa que na sua maquete de tema free lance você sai da originalidade ao transportar de tudo com uma quantidade bem sortida de tipos de vagões, saiba que na Conrail isso era regra. Embora a Conrail transportava minério e carvão pelos trilhos da Pennsylvania, o forte dela era trens carregadores de produtos manufaturados de valores agregrados. Veja os vídeos que retratam isso.

Centralia, Il (Illinois/illinois), 2009.

Shenandoah, West Virginia (WV)

A famosa Horseshoe Curve (Curva Ferradura), Philadelphia, em 23/03/1996.
Aqui os trens são muito longos e quando avançam a inclinação, eles tendem a ir devagar, mas os trens menos longos tendem a passar correndo pela monumental Curva Ferradura.

Conrail's Chicago Line - CN 326 (CSX Q621 - Conrail SECN) - Riviere Delisle, Québec

1995, QUANDO A CONRAIL AINDA DAVA A VOLTA POR CIMA DA CSX! Wampum, PA.

Aqui uma amostra do serviço de logística para fábricas de automóveis. Uma delas era a unidade da GM de Tarrytown. Ela recebia muitos dos vagões boxes altos de 60' e 89', esses uns gigantes. Eles eram grandes no comprimento e na altura devido muitas partes de automóveis serem leves, mas ocupam espaço, por isso esses produtos demandavam vagões fechados muito grandes. Esses foram herança da New York Central que fez parte da Penn Central que também juntou a Pennsylvania Rail Road.

Para a minha tristeza, este vídeo de 2007 revela que a fábrica da GM de Tarrytown foi fechada e removida de lugar, talvez as partes foram reaproveitadas para expandir outra unidade ou vendidas à parte. Isso me entristece muito porque em 2001 eu ganhei uma video-tape (fita) com as imagens da viagem de carona na cabine do Turbo Train da Amtrak e eu lembro com muito carinho das imagens da fábrica com vários vagões grandes para transportar componentes e aqueles para transportar automóveis prontos. Nessa fábrica foram produzidos os Chevrolet Livina, Impala, Vega, além de ter sido pertencente à Maxwell Automobile. Essa cidadezinha Tarrytown era movimentada por essa fábrica. Que tristeza! E eu que desejava modelar a área dessa fábrica um dia.

Hudson é uma cidadezinha ainda mais pitoresca do que Spuyten Duyvel. A sua estação fica bem numa curva à direita no sentido norte-sul como está apontada a câmera. A estação apenas tem uma plataforma ao nível dos trilhos (não à mostra neste vídeo por estar atrás da câmera). Desta linha saem duas vias que formam com a da plataforma um triângulo que dá acesso às ruas da cidade.

O que essa "brincadeira" gera!

Apresentação do vídeo sobre a Conrail da Pentrex.


Galeria de fotos

Conrail-NS SD80MAC 7211, Altoona, Pennsylvania (PA) - 2008-10-13

Conrail-Norfolk Southern SD50 NS5440, Bloomington District-Carlock-IL - 2010-01-26
Algo de Velho Oeste no Nordeste americano. Essa casa muito antiga até hoje está em funcionamento e o cenário tanto nos lembra os episódios de Scooby Doo e as cidades fantasmas quanto os cantos pitorescos de maquetes americanas magníficas.

Catawba, South Carolina, uma SD50 #8645 com uma clássica SD40 #4617 puxando uma composição de hoppers de lastro em 28/04/2006.

Carro de bobinas (de aço/alumínio). A CSX mantém a numeração de origem desses carros, que legado! Número NYC628626. Esse carro pertenceu à divisão New York Central Railroad da Penn Central!!!!!! Foto tirada em Auburn, AL (Alabama) em 16/01/2012.

O que fizeram com as minhas amadas SD80MAC!!!!
Pelo menos elas estão preservadas e rodando excelentemente. Com a CSX, as locomotivas da Conrail estão rodando muito longe. Essas foram encontradas em Russell, Kentucky (KY) em 12/01/2012.

Na Treton Line em Philadelphia, PA, em 15 de março de 2012.

GE C40-8 em Harpers Ferry em 26/01/2011.

SD50 #2497 em 13/11/2010.

GE C36-7 #7136 em Louisville, Kentucky (KY) em 10/05/2002.

SD45-2 #8886 em Sewaren, New Jersey (NJ) anteontem (06/04/2012).

Locomotiva originária 4116, foi numerada como 807 e agora é 4597. As SD80MAC foram as últimas aquisições de locomotivas pela Conrail antes da fusão com a NS e a CSX. Acima desta locomotiva, estava apenas a versão SD90MAC de 6.000 Hp. A SD80MAC desenvolve 5.000 Hp. Foto tirada em 7/10/2003 na Frankfort Ave., Louisville, KY.


Estarei postando mais novidades aqui em breve.

Nenhum comentário: