sábado, 11 de fevereiro de 2017

AMTRAK APRESENTA: ALSTOM AVELIA "LIBERTY"

A Alstom venceu o concurso público federal americano para fornecimento de um novo sistema de trens de alta velocidade no corredor nordeste. Os trens serão 95% americanos, como a CAF fez para fornecer vagões de passageiros para a Amtrak recentemente. Assim os Estados Unidos da América estão repondo vida na indústria ferroviária para transporte de passageiros. 

Com a vitória do candidato Donald J. Trump que prometeu renovar a malha ferroviária americana, o programa AMTRAK AVELIA LIBERTY tem mais chances de vir à luz... e espero que melhor em desenho dos trens. 

Os trens AMTRAK AVELIA LIBERTY a serem construídos pela ALSTOM America correrão a 160 milhas por hora até 220 milhas por hora (de 257 Km/h a 355 Km/h.). As composições substituirão as composições Bombardier Acela que são lindas e trouxeram muita esperança para os americanos e de fato a introdução dos Bombardier Acela puxou a atenção dos políticos americanos para a possibilidade de se implantar trens modernos em várias cidades americanas bem como criar novas linhas nelas e em cidades sem serviço público de trens. E então fica a pergunta... O que acontecerá com os Acela? 

No início das operações com o Acela algumas locomotivas tiveram fissuras nos chassis, possivelmente devido ao reaproveitamento das linhas do Corredor Nordeste (Northwest Corridor) e até 2015 estava com problemas em alguns AMVs, fazendo as locomotivas dos trens Acela a pularem e balançarem horizontalmente de modo violento. Assim se explica porque algumas locomotivas sofreram trincas nos chassis. Os defeitos foram corrigidos, causando custos altos à Bombardier, no entanto muitas mudanças como raios de curvas, substituição de AMVs deverão ser feitas no Corredor Nordeste para rodar esses novos trens cuja velocidade de cruzeiro é maior do que a máxima do Acela: 257 Km/h. Eu espero que o Acela seja reaproveitado em outras linhas onde velocidades menores serão requeridas. Tendo em vista que a Amtrak e a Virginia operam carros de passageiros e bagagens Budd da época de 1950 em perfeito estado, seria uma tristeza ver os Acela que são o marco do início da mudança do sistema de transporte ferroviário de pasageiros nos Estados Unidos no começo do século XXI. 




O contrato com a Alstom é de 2.45 bilhões de Dólares. No Brasil um contrato assim nunca custaria menos que 8 bilhões.