segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

APRESENTAÇÃO DA MINHA MAQUETE! - INTRODUCTION OF MY TRAIN LAYOUT!

A MAQUETE DO
RISTIANO


Prezados Leitores!

Hoje eu tenho o prazer de apresentar a vocês o projeto da minha maquete. O tablado da minha maquete foi construído em 1995, ele mede 1,6 m x 3,0 m. Os trilhos são Atlas COD83 que comprei na RocoBr de Santa Catarina quando essa loja ainda vendia produtos Atlas. As curvas internas eram de 36 cm de raio, algo horrendo que após poucos anos eu tive a iniciativa de alterar o traçado uns três anos depois o que demandou mais trilhos e uma ponte treliçada Atlas-Roco que até hoje está linda, aos fundos da maquete. Além de ser um leitor da Model Railroader Magazine o que fazia-me ver a construção de maquetes ao estilo americano como a correta, a aquisição de uma Athearn GP-38-2 Conrail da Horiginal Modelismo fez com que eu visse que o ferromodelismo que eu praticava era fora da realidade. A locomotiva conseguia passar por umas curvas, mas descarrilava o box Frateschi Evans 52' Ralston Purina numa curva "S" da linha interna aos fundos. Eu não tinha outra alternativa, eu seguia o padrão americano ou não poderia mais ter condições de rodar ferromodelos importados e realísticos. Após esse período tivemos 12 anos de dificuldades financeiras no país que impossibilitava importar kits, e somada a isso, minhas próprias limitações de então. Empresas como Hobby One não traziam mais os magníficos ferromodelos e acessórios para o hobby, e a SF Hobbies infelizmente tinha pouquíssima coisa e foi vendida para a Frateschi, acabando com qualquer alternativa para aquisição de produtos importados a preços quase acessíveis no Brasil para somar com os produtos nacionais que antes era mais limitados do que hoje. Imaginem vocês novatos, a situação! Embora eu mantivesse a maquete limpa e os trens a rodar, eu fiquei sem fazer atualizações significativas nela até o ano passado, isso é, ela ficou parada por quase 10 anos! Mas mantive-me firme para não ter de desfazer dela porque eu sabia como ela ficaria quando eu pudesse terminá-la... LINDA! Mesmo tendo um circuito oval.
.
Desde então as únicas mudanças que fiz nesse tablado foi a adição de chapas de compensado finas sobre as anteriores de mesma espessura para melhorar a resistência, removi a curva em S da linha interna no lado esquerdo aos fundos, e fiz a "pavimentação" de ruas com massa acrílica, alterei os raios das curvas para 22", 24" e 26", testei sem sucesso a horrível grama com pó de serra (use somente grama sintética importada) que com o tempo escureceu.

Com a internet, eu pude conhecer muitos produtos que foram sendo lançados desde 1998 até hoje, muita coisa mudou para fazer as maquetes aparentarem ainda mais realísticas! Ao tomar conhecimento das novidades, eu fui modelando o projeto da maquete no papel, marquei nele as áreas dos kits com os tamanhos em escala, escrevi as referências deles para que quando eu fosse reiniciar as compras, nada ficasse fora do plano. Esse é um passo muito importante a ser tomado por vocês! Reduzam as medidas dos kits em 10 vezes, e façam os desenhos na escala 1/10 em referência às medidas em metros e centímetros, dá certinho. Para converter polegadas para centímetros, o coeficiente é 2,54; e pés para centímetros é 30,48. Se dividir 50' (pés) por 30,48 e dividir a meda por 87 (escala HO 1:87), o resultado será o mesmo do comprimento em centímetros do seu vagão de 50' que está na sua maquete.

Alterações a seguir agora em 2009!
clique para ver os projetos em tamanho real
Projeto original

Projeto melhorado

Esta é o projeto atual da minha querida maquete! Vocês não vão acreditar, mas eu scanneêi o projeto original e modifiquei a imagem no Photoshop ao fazer cópias de várias partes o que gera uma série de camadas de imagens numeradas, foi quase como usar um software de desenho 3D. Claro que algumas partes eu tive que usar o pincel virtual do programa e simular uma cor que fosse muito parecida com a cor de fundo resultante da cópia em modo documento branco e preto. Esse trabalho gasta horas!.

A maquete não será apenas um tablado com dois circuitos ovais, mas atuará como um entroncamento. Como? Vou explicar a façanha. Primeiro vamos ao projeto original, o que vou contar não é uma piada! Notem a diferença entre o projeto originalacima e o atualizado abaixo. As curvas mediam (vs. 2,54 cm) 22" na interna à esquerda e 25" na interna direita, e 27" na via externa. Agora as medidas são 25" e 28 para haver mais espaço para paisagismo e melhor aparência da rodagem dos trens.

Mas eu não estava satisfeito, o meio estava vazio, e eu não podia preenchê-lo com kits o que encareceria o investimento, nem mesmo fazer um parque, porque um de ambos cobriria o visual das pontes no fundo. Eu queria mais diversão e não apenas ter um circuito de trilhos em formato oval. Foi quando em julho de 2008 veio à cabeça a imagem da locomotiva V-8 saindo de uma linha subterrânea com vagões de minério, então eu pensei, farei um ramal subterrâneo. Iniciei umas medidas para tentar fazer o que está neste esboço.

Mas essa ainda não era a melhor alternativa, embora eu tivesse trilhos a mais para manobrar trens cargueiros enquanto o trem de minério esparasse na terceira via, a curva interna do lado esquerdo seria de 23" o que para mim não é realístico se eu fosse operar locomotivas como EP-4, DD45M, SD40T-2, SD80MAC, e DD40AX, bem como locomotivas a vapor grandes, e isso demandaria mais espaço que seria útil para a casa de máquinas e o pastifício (fábrica de macarrões) da Walthers que eu sempre quis ter para manobrar vagões hoppers nela. Além disso, a nova via seria mais uma simulação de um ramal, porque iria terminar logo debaixo das pontes devido à viga de madeira que bloquearia a passagem. Foi então que veio a idéia abaixo, alterar o projeto original e ainda ganhar espaço tanto para a casa de máquinas tanto para a curva em declive e ainda adicionar um AMV no fundo da parte direita para que, como o ramal subterrâneo, fossem ligados a módulos que eu instalarei numa nova área que será construída para eu praticar ferromodelismo, fazendo assim a MAQUETE OVAL e CHATA, uma maquete que represente um ENTRONCAMENTO MOVIMENTADO! :-)


Daí começava outro desafio. A maquete não tinha lastros suspensos por pilares presos aos lastros mestres do tablado. E mais. A distância da linha interna no fundo do tablado, iria permitir a construção de túnel para que trens elétricos e de dois andares pudessem cruzar por lá? Não, não iria. A viga de madeira do quadro do tablado no fundo bloquearia a passagem de trens, assim fazendo a operação de trens ser apenas uma simulação. Então eu tive uma idéia de criar alternativa para que essa alteração permitisse algo mais divertido, uma expansão da maquete para operação total no futuro! ...
... Eu tinha duas opções imediatas, todas erradas em termos de custo e benefício. Suspender as placas de compensado por lastros presos por estacas ou pilares de madeira presas sobre os lastros principais como fazem os americanos, europeus, japoneses e australianos, assim o ramal no final do declive ficaria no nível do nível anterior do compensado sem necessidade de intervensão na viga traseira do tablado; ou cortar ao meio essa viga traseira do tablado e instalar um pedaço de viga por debaixo da principal e fazer amarração com cola Araldite, pregos ou parafusos e ainda instalar uma perna menor de apoio para uma sustentação bem segura.

Ambas alternativas iriam encarecer o orçamento mais ainda, então veio uma idéia melhor, cortar debaixo para cima metade da viga para passar somente um trem e esse corte seria compensado pela instalação de uma viga por cima da viga original. Essa viga será presa com Araldite e pregos. Assim, eu não precisarei baixar o ramal em mais 11 centímetros o que deixaria o declive muito íngrime impossibilitando uma operação real e macia porque os trens iriam derrapar muito, tendo diferença de aceração muito alta, deixando-s a funcionar como brinquedos e não réplicas.

O Ramal


O ramal quando terminado, ele será muito emocionante de operar. Ele iniciará num AMV esquerdo Atlas #6 505 instalado no final da reta da via interna no canto esquerdo frontal, passará por um cruzamento Atlas de 25° e então começará a descida que penso que será de 2 a 3%. Dando tudo certo, a curva também será de 25" (63,5 cm), perto da casa de máquinas e rotunda. Será bonito ver o trem passando enquanto algumas locomotivas sendo giradas nela. O corte do declive será decorado com uma extensa parede de rocha moldada por moldes de borracha da Woodland Scenics. Quando perto do cruzamento de 45°, a via passará por um túnel curto e então ele estará sob uma ponte em arco da Frateschi. Veja um exemplo semelhante.

Essa ponte certamente será pintada de prata e no lado esquerdo dela haverá uma ponte treliçada invertida da Atlas que também é chamada de pontilhão para que a ponte Atlas-Roco tenha algum destaque maior. Alguns vão reclamar porque eu usarei pontes diferentes. É comum ver nas ferrovias do Brasil pontes diferentes ao lado das outras. Eu não encontrei mais da ponte Atlas-Roco porque essa saiu de linha na Atlas, e se eu importar uma da Roco que é a mesma, vai custar muito mais caro. Embora a ponte da Frateschi não tem encaixes seguros ou fáceis, o que demanda mais cola que as demais (a Atlas-Roco ou Roco não demanda cola), ela é uma ponte bonita. Mas devido aos erros de projeto que ela tem, eu tive que consertar com uma lixa de unhas, os riscos dos passadiços que imitam madeira devem estar na escala 2:1! (:-( Após lixá-los bem, o resultado ficou bonito. Pintarei os passadiços em tom de madeira e por baixo pintarei em tom prata anti-ferrugem com nuances de envelhecimento. Esses passadiços foram erroneamente moldados 1 mm mais para dentro tendo como base os trilhos de dormentes mais estreitos que a Frateschi fabrica. Os trilhos COD83 têm dormentes cuja largura tem a mesma proporção em escala, por isso eles são 1 mm mais largos. Eu terei de lixar os dormentes nas pontas da parte inferior a uns 60° para que não toquem nos passadiços, se eu cortar os passadiços, eu corro sério risco de danificar a ponte. Além disso eu vou ter de lixar as sapatas de apoio dos dormentes dessa ponte porque elas são 1 mm mais altas do que a superfície de chapa de fixação das vigas de sustentação que seguram a ponte por baixo. Também as guias dos dormentes terão de ser removidas.

Esse ramal é a via de expansão que dará ação realística à maquete porque com ele eu poderei instalar módulos que encontrarão com esse ramal quando o tablado estiver numa sala dedicada à ela para que os módulos contornem as paredes e a via principal se conecte de volta à maquete através de um AMV no canto direito na parte de trás. Sobre os módulos, isso será outra história para contar, espero que num futuro bem curto! Mas posso adiantar que neles haverá uma beneficiadora de madeira, fábrica de automóveis, uma cidade, uma vila, estaçõezinhas de serviço, pátios, etc. Um pouco de tudo para que não haja aglomeração de kits por todos os módulos e ficando pouca paisagem. Enfim, esse ramal lembrará um pouco o loop da magnífica passagem Tehachapi, popularmente conhecida como Tehachapi Pass (Terréátchapi Pess). Eu fico sonhando acordado com esse ramal início em declive em loop com locomotivas operando em DCC, com som, a rotação dos motores em alta, barulhos de frenagem, vai ser lindo demais! E para vocês eu deixo estas imagens!




Paisagismo
Cinquenta porcento do material básico para paisagismo eu comprei para iniciar a base de formação do relevo, pigmentação de "solo", formação de morro, rochas, paredes de rochas, e túneis cravados na rocha. Eu iria usar portais de túneis, mas preferi dar um toque de paisagem mais distante e menos civilizada como mostrada nesta foto. Embora os portais de túneis são obras de arte magníficas que completam uma ferrovia!

Eu selecionei produtos de base da Woodland Scenics, marca que eu admiro muito pelo capricho, precisão em tudo que faz. Para iniciar completo e economicamente, eu comprei os meus primeiros produto da marca, um deles é o Earth Color Kit, ou Jogo de Cor de Terra. Esse kit tem a referêncai C1215 (veja aqui) e é composto de garrafas menores com todas os pigmentos produzidos pela Woodland. Também ele é composto por um molde de rocha de gesso para fazer paredes de contenção, regos d'água cravados na rocha e portais de túneis. Os iniciantes têm resultados de nível de artesãos de alto nível com esse kit. Além de livro de instruções, ele vem com uma palheta e 8 garrafas de 1 oz (29.35 gr) de pigmentos nas cores Branco, Cinza Pedra, Cinza Estado, Preto, Âmbar Rústico, Ocre, e Âmbar Queimado. Na dúvida e receio de comprar pigmentos que viesse a usar menos, eu preferi comprar esse jogo porque eu conhecerei todos os pigmentos sem ter que pagar muito mais por todas as garrafas maiores que metade ficaria sobrando. O kit vem com acessórios para diluir os pigmentos, pincel esponja. Com garrafas menores, eu aprenderei quais são os pigmentos melhores para modelar o tipo de solo e rochas que caracterizarão o ambiente que eu precisarei comprar mais sem fazer escolhas erradas. As paisagens que a maquete representará serão dos padrões das as matas do Rio Hudso, os morros ao da região das Montanhas Cascades na linha da Great Northern (BNSF Seattle-Chicago), e no o centro o solo e a vegetação serão parecidos com o cenário do Tehachapi Loop da Tehachapi Pass.

Outros produtos da Woodland Scenics que comprei foram esses moldes de rochas, um para paredes de rochas, outro para encostas de morros à mostra, e outro para moldar o interior de túneis. Se eu quiser instalar uma mini câmera numa locomotiva, eu tenho que ter direto a sensação de estar vendo um ambiente bem reproduzido. :-)
Woodland Scenics C1244 Rock Mold, Facet Rock (1 unidade)
Woodland Scenics C1244 Rock Mold, Facet Rock
Woodland Scenics C1230 Rock Mold, Outcroppings (1 unidade)
Woodland Scenics C1230 Rock Mold, Outcroppings
Woodland Scenics C1250 Tunnel Liner Form (1 unidade)
Woodland Scenics C1250 Tunnel Liner Form

Tema e Frota
O tema da maquete será uma cidadezinha de padrão americano localizada tanto nos Estados Unidos ou localizada em algum lugar rochoso no centro-oeste de Mato Grosso do Sul, uma cidadezinha que seria um entroncamento de trens pesados da Conrail, BNSF, Montana Rail Link, Union Pacific, CP Rail, e Nacional de Mexico que viriam da América do Norte (Canadá, Estados Unidos e México) e desceriam até essa cidade. Nela haveria a troca de comando de tração, passando para a ALL, EFVM/FCA e MRS sob regime de direito de passagem. No módulo a ser instalado atrás da maquete haverá uma local de mineração de onde sairão trens de minério de ferro, minério de manganês, carvão, e pedrisco. As matrizes energéticas serão diesel e eletricidade. Sim, haverá catenárias. Pode ser que o resultado não fique lindo, mas tentarei usar catenárias do padrão Pennsylvania Rail Road (PRR) ou New York Central Railroad. Terei locomotivas Bachmann Spectrum "GE E-33 Conrail", pelo menos uma dupla, bem como algumas GG-1 da Conrail.

View the full size photo!


As locomotivas nacionais que tenho são 1 U20C RFFSA vermelha, 1 FA-1 vermelha, e quero ter todas as pinturas da Frateschi "GE EP-4 (V-8)" bem como fazer umas com a pintura da Conrail e Canadian Pacific ao estilo F7 com listras brancas no nariz, a GE EP-4 tem dois narizes porque tem duas cabines. Que tal antecipar umas com a pintura da ALL embora a ALL não esteja a operar as últimas que ainda existem? :-)

Uns dos trens que mais marcarão será o da Central do Brasil composto por duas V-8 vermelhas puxando vários vagões hoppers abertos que a Frateschi produz, eles são lindos. A cena será de tirar o fôlego! Duas locomotivas e 40 vagões! Sim, essa composição cabe nela!

Locomotivas importadas que tenho são Life-Like Proto 2000 EMD E6A (com motor) e EMD E6B (sem motor) ATSF Super Chief, Life-Like Proto 1000 Baldwin C-Liner A unit New York Central (preta), e Proto 2000 GP30 Nickel Plate (NYC-St. Louis) preta.

Como Brasileiro, eu não posso deixar de rodar trens nacionais que tanto marcaram a minha infância e juventude, por isso eu fiz essas alterações para que a maquete seja um entroncamento para eu simular a chegada de trens estrangeiros ao nosso país, e ao mesmo tempo disfrutar um estilo arquitetônico que no Brasil infelizmente não existe, um estilo que traz harmonia e daí paz a quem vê, saudades, vontade de estar em lugares onde não se pode estar para desfrutar das belezas e da riqueza de história de cada um. Essa maquete será muito divertida por causa disso, eu simularei o Brasil que deveria ser e também simularei lugares onde sempre quis estar e até viver.

Em breve eu postarei fotos do processo de construção inicial do cenário dessa futura linda cidadezinha.

Um grande abraço,

Cristiano

domingo, 27 de fevereiro de 2011

CAMPANHA NACIONAL "NÃO COMPRE CARROS DA BYD!"

REPASSO A CAMPANHA "NÃO COMPRE CARROS DA BYD" QUE É UMA EMPRESA CHINESA DE PROPRIEDADE DO COMUNISTA NORTE-AMERICANO WARREN BUFFETT QUE É UM DOS MAIORES INVESTIDORES NA TÁTICA DE ANIQUILAÇÃO DE CRISTÃOS ANTES DO NASCIMENTO: "O ABORTO".

PROVAS AQUI:

domingo, 6 de fevereiro de 2011

MÚSICA DA SEMANA: MITTEN IM PARADIES (NO MEIO DO PARAÍSO)

Conheci esta música ontem e tenho o prazer de compartilhá-la com vocês. Helene Fischer, "Mitten im Paradise."